banner-site-sindicalize-se

face banner          twitter banner

  • Rádio
  • Imagens
  • Unidade
  • Vídeo

 

arte_ato-jornalistasface_oficial

      unidade_histrico

arte_ato-jornalistasface_oficial

News image

Sindicato dos Jornalistas convoca para assembleia no Estadão na quinta-feira (23)

Objetivo é discutir banco de horas que, com a reforma trabalhista, a direção do jornal tenta impor aos prof...

News image

Jornalistas e radialistas decidem continuar greve na EBC

Em mais uma atitude truculenta, direção da Empresa Brasil de Comunicação suspendeu as negociações da Cam...

News image

Reforma trabalhista: saiba mais sobre os principais pontos que prejudicam os jornalis...

Precarização das contratações, flexibilização da jornada, desrespeito ao piso e retirada de outros direi...

News image

FIJ realiza pesquisa sobre violência contra as trabalhadoras da comunicação

Acesse e participe do estudo da Federação Internacional de Jornalistas até o dia 21/11 A Federação Intern...

News image

CUT São Paulo se solidariza com trabalhadores da EBC em greve

Em nota, CUT Estadual expressa apoio aos grevistas e alerta para o desmonte da EBC pelo governo golpista de Mi...

News image

Eleita delegação ao 3º Congresso Extraordinário da Fenaj

Jornalistas vão representar o Sindicato e o estado de SP no evento que ocorre entre os dias 7 e 9 de dezembro...

Sex, 17 de Novembro de 2017 00:00   
Reforma trabalhista: saiba mais sobre os principais pontos que prejudicam os jornalistas

Precarização das contratações, flexibilização da jornada, desrespeito ao piso e retirada de outros direitos e garantias - é a "modernização" das relações trabalhistas que entra em vigor neste 11 de novembro


O Sindicato dos Jornalistas produziu uma edição especial do jornal Unidade exclusivamente dedicada à reforma trabalhista (Lei 13.467/2017), que entra em vigor a partir deste 11 de novembro. A análise, elaborada com apoio do departamento jurídico da entidade, considera os impactos da nova legislação sobre a categoria a partir das especificidades da profissão. 

Nesta matéria, destacamos alguns dos principais pontos que prejudicam os jornalistas e, para conferir a íntegra no Unidade Especial com as informações completas, acesse a versão digital onde é possível fazer o download e também compartilhar a publicação nas redes sociais. 

Veja os principais pontos que prejudicam os jornalistas na Lei 13.467/2017:

PRECARIZAÇÃO DAS CONTRATAÇÕES

Terceirização

Com a lei do trabalho temporário e a nova lei trabalhista (13.467/2017), qualquer empresa pode terceirizar a atividade-fim. Assim, as empresas de comunicação podem contratar outras empresas para alocar jornalistas terceirizados, ou passar suas publicações para terceiras. Na prática, isso significa salários menores, com menos direitos e a possibilidade de demissões dos contratados diretos. No nosso seminário, vamos debater uma nova cláusula que proteja os jornalistas nas Convenções e Acordos Coletivos.

Trabalho intermitente
O trabalhador é registrado em carteira, mas a empresa não tem obrigação de lhe passar trabalho. Caso seja convocado, aceitar e não comparecer, o jornalista tem de pagar à empresa 50% do valor combinado pelo trabalho; se comparecer e a empresa não tiver demanda, recebe metade do combinado. Os intermitentes poderão passar meses sem nenhuma remuneração, e só ganham pelas horas trabalhadas. O dispositivo aniquila o piso salarial e destrói qualquer certeza de remuneração fixa.

Home office (teletrabalho)
A nova lei regulamenta o home office (teletrabalho), pelo qual o trabalhador presta seu serviço sem comparecer ao local de trabalho na maioria do tempo, e as empresas podem colocar os jornalistas já contratados para trabalhar em casa. Pela lei, estes trabalhadores não têm direito a controle de jornada (o que hoje é possível por meios eletrônicos) e não têm direito à hora extra. Permite que a empresa empurre ao jornalista os custos de infraestrutura em casa (equipamento, luz, telefone, internet etc.). São condições inaceitáveis, que pedem cláusulas de garantia a favor dos jornalistas nas convenções e acordos coletivos.

Trabalho “autônomo exclusivo”
A redação inconsistente deste artigo (442-B) da nova lei expressa uma tentativa de legalizar o que hoje é fraude aberta do vínculo empregatício. Ao criar a figura do “autônomo exclusivo”, a lei diz que o trabalhador contratado desta forma não é considerado empregado da empresa, mesmo se trabalha com exclusividade ou de forma contínua. Assim, dificulta a briga pelo reconhecimento do vínculo. Mas como alguém pode ser autônomo se trabalha com exclusividade para um único empregador? E como pode ser autônomo se trabalha para o empregador de forma contínua? São questões que desafiarão a Justiça e as categorias profissionais no próximo período. Resta a subordinação como a característica mais marcante da relação com vínculo.

O PJ foi legalizado?

Não! Continuam existindo as condições que caracterizam um empregado de acordo com a CLT: habitualidade, pessoalidade e subordinação. É possível que as empresas, que já praticam a contratação de PJs usem a reforma para tentar legitimar isso. Mas a pejotização continua sendo fraude contra o vínculo empregatício e contra os direitos do jornalista.


RETIRADA DE DIREITOS E GARANTIAS

Flexibilização da jornada
Até agora, a CLT determinava o respeito à jornada de trabalho – no caso dos jornalistas, 5 horas por dia, 30 horas por semana (extensíveis com mais duas horas extras contratuais). A permanência após a jornada era paga com o adicional de hora extra, salvo se houvesse acordo coletivo de compensação de horas (como na nossa convenção de Rádio e TV, em acordos em algumas empresas). Até hoje, se uma empresa de jornal ou de revista não paga a hora extra, o seu pagamento é um direito do jornalista, que pode reivindicá-lo na Justiça.

Trata-se aqui de uma questão básica: o salário que se recebe pela jornada trabalhada. E isso deixará de ser respeitado, pois a lei permite acordo individual (de forma tácita, para compensação em até 1 mês; de forma escrita, para compensação em até 6 meses). Qualquer assalariado sabe que não tem poder de impedir, individualmente, que a empresa o obrigue a assinar um acordo assim ou a trabalhar além do horário e compensar (tacitamente). No cotidiano das redações, os jornalistas poderão ser dispensados a qualquer hora do dia, passando a dever horas para a empresa; e poderão também fazer jornadas extenuantes sem ter direito a hora extra.

Essa é uma das mudanças que se choca com a Constituição. Consideramos necessário atuar para que qualquer flexibilização da jornada de trabalho esteja restrita ao quadro de negociações coletivas (que teriam de vetar “acordos individuais”), de forma a proteger os jornalistas.

Negociação individual de direitos
A Lei 13.467 cria a figura do empregado “hipersuficiente”, aquele que tem curso superior e ganha salário maior do que dois tetos da Previdência Social (hoje, pouco mais de R$ 11 mil). Esse dispositivo perverso atinge diretamente uma parte de nossa categoria. O jornalista poderá ser obrigado a “negociar” individualmente, sem a força do Sindicato, questões como o reajuste anual de seu próprio salário, o vale-refeição ou o auxílio-creche! Além disso, pode ser levado a assinar um “compromisso de arbitragem”, renunciando à possibilidade de entrar com uma ação judicial posteriormente.

Redução no conceito de salário
A nova lei retira a natureza salarial de verbas pagas como “ajuda de custo” e “prêmios” ao empregado. Assim, estimula o salário “por fora” – sem incidência no FGTS, férias, 13º salário etc. –, propiciando que as empresas fixem um salário baixo sobre o qual incidem direitos, e determine o resto da remuneração como verbas adicionais, sem direitos associados.

Assédio moral e sexual
A reforma fixa o parâmetro salarial para estabelecer os valores de indenização por danos morais, por meio de tabelamento relativo ao salário da vítima, o que introduz diferenciações inaceitáveis. No caso hipotético em que o chefe de uma empresa assedie sexualmente duas subordinadas – uma faxineira e uma gerente –, as duas podem receber indenizações com diferenças de centenas de milhares de reais, tendo sido vítimas do mesmo crime, cometido pelo mesmo assediador. Na prática, significa dizer, na lei, que a dignidade de um(a) trabalhador(a) vale mais que a de outro(a).

Demissões coletivas
Novo artigo, que já começa a exercer pressão, expressamente autoriza demissões coletivas sem negociação com sindicatos. Nos últimos anos, com base em doutrina jurídica, o SJSP conseguiu reverter demissões na Tribuna de Santos e na Rádio Estadão, bem como negociar com empresas a redução no número de dispensas ou condições menos prejudiciais aos jornalistas demitidos. Isso acaba a partir de novembro e é preciso discutir estratégias de reação contra as demissões.

Demissão por “comum acordo”
A reforma trabalhista cria uma nova modalidade de demissão sem justa causa, na qual o trabalhador recebe apenas metade da multa do FGTS e do aviso-prévio, além de só sacar 80% do Fundo de Garantia e perder o direito ao seguro-desemprego. Isso abre uma nova forma de pressão contra o trabalhador, forçando acordos de demissão com redução de direitos dos jornalistas.

Fim da homologação no sindicato
Atualmente, a empresa tem de homologar a demissão de um jornalista no Sindicato. Isso permite que a entidade sindical confira as contas e alerte o trabalhador sobre direitos que possam estar sendo sonegados pela empresa. Permite ainda que o Sindicato saiba das demissões em curso na categoria. O projeto prevê que a homologação seja feita na empresa, sem o Sindicato. Queremos mantê-la no Sindicato por acordo coletivo.

Intervalo intrajornada
Pela nova lei, é possível instituir, por acordos coletivos, intervalos de no mínimo 30 minutos. O Sindicato dos Jornalistas reconhece a demanda de parte da categoria pela redução do intervalo de uma hora, mas alerta para o risco à saúde mental e física de uma jornada superior a seis horas sem intervalo apropriado para refeição e descanso. Este é mais um ponto sobre o qual podemos traçar estratégias em nosso seminário e em assembleias por empresa.

Férias
Pela nova lei, o gozo das férias pode ser dividido em até três períodos, um deles com no mínimo 14 dias corridos, e os demais com pelo menos 5 dias. A direção do Sindicato quer escutar a avaliação da categoria a respeito. A preocupação é a de que um possível período de férias de cinco dias vire prejuízo em relação às escalas de final de ano.

Escrito por: Redação – Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo
Charge: Marcio Baraldi

 

Interior/Litoral

Presidente Prudente: Regional suspende expediente nesta sexta (20)

Em virtude do feriado municipal de São Sebastião em Presidente Prudente, a Regional Oeste Paulista...

Regional Rio Preto suspende expediente nesta quinta-feira (8)

Em virtude do feriado municipal da Imaculada Conceição, não haverá expediente nesta quinta-feira (8)...

Regional Oeste sem expediente na quinta-feira (8)

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo informa que não haverá expediente...

Comunicados

Assembleia Geral Ordinária em 29/05

SINDICATO DOS JORNALISTAS PROFISSIONAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO CNPJ nº 62.584.230/0001-00 – ASSEMBLÉIA GERAL...

Assembleia de prestação de contas em 29/05

SINDICATO DOS JORNALISTAS PROFISSIONAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO CNPJ nº 62.584.230/0001-00 – ASSEMBLÉIA...

Sindicato sem expediente no dia 14/11

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) informa que não haverá...

Notícias/Geral

Assembleia Geral na Rede Anhanguera de Comunicação

Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLEIA GERAL...

Sindicato convoca Assembleia Geral para Congresso Extraordinário da Fenaj

SINDICATO DOS JORNALISTAS PROFISSIONAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO CNPJ 62.584.230/0001-00 – ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA...

Sindicato convoca assembleia extraordinária na Lauda Editora

SINDICATO DOS JORNALISTAS PROFISSIONAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL...

Moagem

Vai e Vem do Mercado (Moagem) - 30/05 a 06/05

News image

  Estadão * A editora-chefe Cida Damasco está de saída do Estadão, após quase...

Vai e Vem do Mercado (Moagem) - 23/05 a 30/05

News image

  Temer exonera presidente da EBC Entidades defendem continuidade de Ricardo Melo à frente...

Vai e Vem do Mercado (Moagem) - 09/05 a 16/05

News image

    EBC Edinho Silva deixa o comando do Conselho e é substituído por...

Opinião e Artigos

Reflexões sobre uma dura campanha salarial

As dificuldades com as quais se deparam os jornalistas na Campanha Salarial de Rádio e TV fal...

No Brasil, milhões de pessoas morrem antes dos 65 anos Esta é a idade que Temer con...

Até em São Paulo, a cidade mais rica do país, milhares de trabalhadores morrem antes de comp...

2016: um ano marcado pela resistência

2016 pode ser comparado a um mar revolto. Em meio às altas ondas, a direção deste Sindicato...

Cursos e Convênios

REPÓRTER NO TELEJORNALISMO – 21h/aulas

Dias 24 (sábado), 25 de junho (domingo) e 01 de julho (sábado), das 9h30 às...

Como Conseguir um estágio em Jornalismo e Empreendedorismo no ecossistema do jornal...

News image

SÁBADO DE ATIVIDADES PARA JORNALISTAS E ESTUDANTES DE JORNALISMO 08 DE ABRIL ATIVIDADE GRATUITA Como...

JORNALISMO DE MODA EM TEMPOS DE MÍDIAS SOCIAIS – 6h/aulas

Dia 06 de maio, sábado, das 9h00 às 16h00 Docente: Suzana Azar, jornalista com mais...

Jurídico

Rádio e TV: sem avanço, contraposta com reposição da inflação é entregue ao pa...

News image

Direção do SJSP intensificará contato com as redações para pressionar a empresas ao reajuste...

“Pejotização” e terceirização: realidades no jornalismo

News image

    Em tempos de discussão sobre o PL 4330/04, que regulamenta a...

Preços e Salários

Comissão Eleitoral da FENAJ abre prazo para impugnação de candidaturas

News image

As eleições da FENAJ acontecerão de 19 a 21 de julho. Duas chapas e 9 candidaturas à Comissão Nacional de Ética estão inscritas para...

Direitos Humanos

Número de presos mortos em Manaus é o maior desde o Massacre do Carandiru

News image

As 60 mortes de detentos confirmadas até agora no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj),...

MPF oferece quarta denúncia contra legista acusado de forjar laudos na ditadura

O Ministério Público Federal em São Paulo (MPF) fez mais uma denúncia contra o legista...

Expediente

Portal Oficial do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo

 

Presidente

Paulo Zocchi

Secretária de Comunicação 

Lílian Parise

 

As matérias assinadas não representam necessariamente a opinião da diretoria.


Editora
: Flaviana Serafim


Contatos

Tel:(11) 3217-6299

Fax:(11) 3256-7191

e-mail: jornalista@sjsp.org.br

Facebook: http://www.facebook.com/SindicatoJornalistasSP

Twitter: http://twitter.com/JornalistasSP

Entidades parceiras

fenaj_186x44

cut_469x154

fij_140x140

Endereço

Rua Rego Freitas,530 - Sobreloja
Vila Buarque - SP - CEP: 01220-010
Fone: 11 3217 6299

Your are currently browsing this site with Internet Explorer 6 (IE6).

Your current web browser must be updated to version 7 of Internet Explorer (IE7) to take advantage of all of template's capabilities.

Why should I upgrade to Internet Explorer 7? Microsoft has redesigned Internet Explorer from the ground up, with better security, new capabilities, and a whole new interface. Many changes resulted from the feedback of millions of users who tested prerelease versions of the new browser. The most compelling reason to upgrade is the improved security. The Internet of today is not the Internet of five years ago. There are dangers that simply didn't exist back in 2001, when Internet Explorer 6 was released to the world. Internet Explorer 7 makes surfing the web fundamentally safer by offering greater protection against viruses, spyware, and other online risks.

Get free downloads for Internet Explorer 7, including recommended updates as they become available. To download Internet Explorer 7 in the language of your choice, please visit the Internet Explorer 7 worldwide page.

Mantido por Pandora